boleto condominial deve ser registrado

Saiba tudo sobre o boleto condominial

O boleto condominial é emitido mensalmente e enviado para os condôminos, mas existem algumas peculiaridades sobre esse tipo de cobrança, sabia? Acompanhe!

Tem gente que prefere que eles nem cheguem. Mas aqueles que têm suas contas em dia e preferem pagar cada uma delas na data de vencimento até gostam quando recebem. Estamos falando dos boletos, por meio dos quais pagamos nossas despesas. Você sabe como é feito o boleto condominial?

Ele representa a soma das despesas mensais do condomínio, rateada pelo número de unidades em questão.

O boleto condominial é feito uma vez por mês e segue o mesmo processo de emissão das demais contas a pagar. 

Gestão de síndico transparente

cobrança boleto condominial

O boleto condominial pode ser enviado impresso em papel ou virtualmente por e-mail, por exemplo.

E quem envia é o síndico, o escritório de contabilidade ou a empresa contratada como administradora pelo condomínio. 

Além do boleto de condomínio propriamente dito, é importante que cada proprietário do imóvel ou a pessoa que aluga uma das unidades condominiais receba de forma discriminada a que se refere cada um dos valores

Afinal, todos que vão pagar a taxa condominial querem saber o que estão pagando de fato.

E qual o valor de cada item cobrado.

Desta forma, podem entender como é fundamental arcar com este custo para que tudo corra bem quanto às devidas manutenções do condomínio. 

E mais: é neste relatório que se pode ver em que aspectos é possível economizar.

Assim, todos podem contribuir com sugestões de melhorias.

A lista detalhada das receitas e despesas traz transparência à gestão do síndico

O que mais eu devo saber sobre boleto de condomínio?

boleto condominial

Como os demais boletos, o que contém a taxa condominial precisa ser registrado.

Segundo a resolução da FEBRABAN, datada de janeiro de 2018, todos os boletos emitidos no Brasil só podem ser gerados e enviados se estiverem devidamente registrados. 

A FEBRABAN é a Federação Brasileira de Bancos.

Trata-se da entidade que funciona como intermediária entre as 119 instituições bancárias associadas e a sociedade.

O registro dos boletos evita as temíveis fraudes deste documento. 

É fundamental que todos os destinatários responsáveis pelos pagamentos estejam com seu cadastro atualizado junto ao gerador do boleto condominial para receber as taxas mensalmente com segurança e de forma confidencial. 

Desde que o registro está valendo, as principais mudanças no boleto foram a colocação do CPF/CNPJ do pagador.

Onde antes aparecia “cedente” no boleto, agora aparece “beneficiário”.

Já a expressão “sacado” foi substituída por “pagador”.

Também consta do boleto de condomínio, o endereço do “beneficiário”.

Outra mudança foi que agora não são mais aceitos boletos sem valor e sem data de vencimento, sendo que as informações de juros e multa são atualizadas automaticamente no momento do pagamento. 

E não é preciso mais atualizar o boleto condominial ou pedir um novo para a instituição bancária, como ocorria antes da resolução da FEBRABAN entrar em vigor. 

Boleto condominial em ordem: Equilíbrio financeiro

boleto condominial

Na medida do possível, é interessante que todas as unidades paguem as taxas condominiais nas datas de seu vencimento.

Não pagar ou atrasar dificulta bastante a vida financeira de qualquer condomínio. 

Todos os meses vencem as contas de fornecedores.

Os valores arrecadados pagam também os salários dos funcionários contratados e de eventuais prestadores de serviços.

Inclui-se aí o pagamento das contas de água e luz, além das manutenções preventivas e limpeza de todas as áreas comuns. 

O desequilíbrio no caixa do condomínio reduz a capacidade de realizar obras, melhorias para todos, reformas, etc.

Isso sem falar nos juros acumulados e multas.

Ou seja, toda a comunidade é impactada negativamente. 

Se você gostou deste artigo, leia também sobre como fazer a gestão dos inadimplentes em condomínio